Confira aqui a relação  do 1º lote de pagamento dos profissionais inativos/demitidos da UNIMED

Confira aqui a relação  do 1º lote de pagamento dos profissionais inativos/demitidos da UNIMED

Para maiores esclarecimentos entre em contato com o Sindicato 

Demitidos em: 01/02/2019 a 31/01/2020
Estabelecimento: Hospital UNIMED Primavera

Demitidos em: 01/02/2018 a 31/01/2019
Estabelecimento: Hospital UNIMED Teresina

Demitidos em: 01/02/2019 a 31/01/2020
Estabelecimento: Hospital UNIMED Teresina

Demitidos em: 01/02/2018 a 31/01/2019
Estabelecimento: Hospital UNIMED Primavera

PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS TERESINA DEFLAGRAM PARALISAÇÃO DE 3 DIAS

PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS TERESINA DEFLAGRAM PARALISAÇÃO DE 3 DIAS

      O SINDICATO DOS ENFERMEIROS, AUXILIARES E TÉCNICOS EM ENFERMAGEM DO ESTADO DO PIAUÍ – SENATEPI, CNPJ nº. 11.378.331/0001-86, Código Sindical nº. 19020, entidade sindical de primeiro grau, por seu representante legal e Diretor Presidente, vem à presença de Vossa Excelência informar que na instância deliberativa competente desta entidade, no último dia 02.03.2021, em frente ao Palácio da Cidade, sito à Praça Marechal Deodoro da Fonseca, 860, Centro, Teresina-PI, CEP. 64000-160, a categoria deliberou, unanimemente, por deflagrar paralisação de 03 (três) dias, a ser realizado a partir das 7h do dia 05.03.2021, tendo em vista a negativa do Município de Teresina e da Fundação Municipal de Saúde não apresentarem propostas que atendam nossas reivindicações, quais sejam:

  1. Corte da majoração da insalubridade dos profissionais do setor COVID;
  2. Redução de 50% no plantão pago aos profissionais do setor COVID;
  3. Cortes de salários do setor COVID;
  4. Descontos abusivos por faltas;
  5. Não pagamento do repasse para as equipes das UBS do Programa Previne;

 

      A presente comunicação visa o cumprimento dos requisitos formais que regem o movimento paredista, na forma da lei.Por fim, a categoria assume ainda as determinações emanadas da Lei nº. 7.783/89, através do compromisso coletivo de comunicação, por meio de oficio, aos órgãos da administração pública, Ministério Público Estadual – MPE, Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí – OAB/PI, Conselho Regional de Enfermagem do Piauí – COREN/PI, Conselho Estadual de Saúde, Comissão de Saúde da ALEPI e usuários dos serviços sobre as razões de paralização dos serviços, com antecedência de 72h e da garantia de manutenção da prestação de serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da população, principalmente em face da pandemia da COVID-19.

CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS-TERESINA

CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS-TERESINA

Assembleia Geral Extraordinária

Senatepi convoca todos os profissionais de enfermagem vinculados a FMS de Teresina para uma Assembleia Geral Extraordinária, com o objetivo de deliberar sobre as pautas da convocação e participarem de um grande ato de protesto contra os cortes sistemáticos que ocorre nos salários dos profissionais de enfermagem de Teresina.

Salários atrasados: profissionais da saúde devem cruzar os braços em Campo Maior

SENATEPI acompanha a situação e cobra da gestão municipal os pagamentos em atraso

Uma triste realidade que se repete em vários municípios piauienses, servidores com salários atrasados e sem expectativa de receber seus direitos. Em Campo Maior, a 88 quilômetros de Teresina, profissionais efetivos lotados na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não receberam a remuneração e o incentivo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) referente ao mês de dezembro de 2020. Diante da situação, as categorias podem paralisar as atividades a partir da próxima quinta-feira (21).

Na última segunda-feira (18), alguns profissionais se reuniram com prefeito, João Félix de Andrade Filho e com a secretária municipal de saúde, Dorilene Vidal Félix. Os gestores informaram que o repasse financeiro referente ao pagamento desses profissionais, exceto dos Agentes Comunitários de Saúde, não se encontrava na conta da secretaria, ou seja, que não havia mais dinheiro correspondente a esse recurso.
O presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI, Erick Riccely, acompanha a situação e relata que ao contrário do que diz o prefeito de Campo Maior, os recursos estariam na conta da prefeitura desde o dia 21/12/2020. “O que apuramos é que a gestão anterior deixou dinheiro em conta e a folha de pagamento já feita. Essa informação foi repassada pelo antigo gestor em encontro com a atual gestão no período de transição, no final do ano de parece passado”, esclarece Erick.
Erick enfatiza ainda que o atual gestor informou aos profissionais que a dívida seria do antigo prefeito. “É válido ressaltar que esses servidores atuam para o município e não para uma determinada gestão. Independente de troca de prefeito, os profissionais possuem o direito legal de receberem seus salários na data correta e estamos acionando o Ministério Público para cobrar isso”, diz Erick.
Caso o pagamento não seja realizado nos próximos dias, profissionais como enfermeiros, dentistas, técnicos de enfermagem, técnicos de saúde bucal, agentes comunitários de saúde, médicos, dentre outros funcionários efetivos devem paralisar as atividades a partir de quinta-feira (21). Até mesmo os profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU avaliam continuar ou não as atividades.

SENATEPI solicita adicional de 40% por insalubridade na rede privada

O pagamento da insalubridade máxima para todos os profissionais de Enfermagem é uma das bandeiras do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí – SENATEPI. Com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) esse direito se faz cada vez mais importante. Por isso, o SENATEPI enviou ofício ao Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí -SINDHOSPI para cobrar o pagamento de 40% de insalubridade sobre o salário base.

No documento é citada a Norma Reguladora N°15, que trata das atividades e operações insalubres, pontuando que o profissional da enfermagem tem direito ao aumento no adicional de insalubridade nas condições de atendimento a pacientes em isolamento por doenças infectocontagiosas.

Segundo o presidente do SENATEPI, Erick Riccely, os profissionais estão
batalhando para salvar as vidas de pessoas infectadas pelo coronavírus colocando a própria saúde em risco e merecem todo o suporte necessário, além de reconhecimento salarial. ” Por isso, enviamos a classe patronal um ofício para cobrar que o pagamento da insalubridade em grau máximo, equivalente a 40% sobre o salário base, seja aplicado a todos os profissionais de enfermagem que estão no combate a doença nós estabelecimentos de saúde privados”, enfatiza Erick.

O presidente do sindicato esclarece ainda que o SENATEPI é a única entidade com representação para realizar a cobrança em benefício da categoria. “Temos a competência legal para requerer o aumento no adicional de insalubridade. Qualquer outra entidade que o faça estará usurpando o papel do sindicato e muitas vezes atrapalhando a nossa luta”, explica Erick.

No documento fica ainda solicitado que todos os responsáveis pelos estabelecimentos de saúde sejam previamente informações do ofício e sigam as solicitações. “Estamos avançando em nossas conquistas, seja na rede pública como na rede privada e isso significa reconhecimento ao papel da enfermagem como atividade decisiva na preservação da saúde e vida da população”, conclui Erick.

SENATEPI solicita e justiça determina afastamento de lactantes.

O Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI obteve liminar junto a justiça que determina o afastamento imediato das profissionais da Enfermagem vinculadas a Fundação Municipal de Saúde de Teresina que são lactantes.

O presidente do SENATEPI, Erick Riccely, explica que o pedido foi necessário frente ao atual cenário de pandemia do novo coronavírus. “A Covid-19 é um risco real e não podemos deixar uma profissional nessas condições ficar exposta na linha de frente no combate a doença, isso significa risco para o filho”, analisa Erick.

Erick Riccely relata ainda que desde o início da propagação da doença o sindicato se faz presente e já conseguiu avanços nas condições de trabalho da categoria “Desde o início solicitamos o afastamento de todos os profissionais que se enquadram no grupo de risco, a partir disso a Fundação Municipal de Saúde publicou a portaria 71/2020, mas as lactantes não foram incluídas. Agora, a partir da liminar, conseguimos que essas profissionais e suas famílias fiquem em segurança”, destacou o presidente.