CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS-TERESINA

CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA FMS-TERESINA

Assembleia Geral Extraordinária

Senatepi convoca todos os profissionais de enfermagem vinculados a FMS de Teresina para uma Assembleia Geral Extraordinária, com o objetivo de deliberar sobre as pautas da convocação e participarem de um grande ato de protesto contra os cortes sistemáticos que ocorre nos salários dos profissionais de enfermagem de Teresina.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO SENATEPI Nº 02/2021 TERESINA, 03 DE FEVEREIRO DE 2021.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO SENATEPI Nº 02/2021 TERESINA, 03 DE FEVEREIRO DE 2021.

Os profissionais de enfermagem da Unimed que foram desligados da empresa e trabalharam de 01/02/2018 a 31/01/2020, devem procurar o Senatepi para receberem os valores referentes ao retroativo do Dissídio coletivo 2018/2019 referente ao processo de nº 0080063-14.2019.5.22.0000.

SENATEPI cobra manutenção da insalubridade por parte da FMS e o caso está na Justiça

Screenshot_1

Os profissionais da saúde vinculados a Fundação Municipal de Saúde foram pegos de surpresa com o anúncio do corte da gratificação por insalubridade paga a quem trabalha na linha de frente contra a Covid-19. Desde abril do ano passado, com o início da pandemia, a Prefeitura de Teresina passou a pagar um adicional de 40% na insalubridade dos servidores da saúde que estão em contato direto com os infectados. O SENATEPI defende que o valor seja pago a todos os profissionais da saúde já que não se pode delimitar espaço seguro em unidades de saúde em meio a uma pandemia.

Para o presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI, Erick Riccely, essa decisão de cortar a insalubridade é contrária ao que o próprio presidente da FMS relatou em recente reunião com a categoria, realizada no dia 15 de janeiro. “Em um encontro para debater ações em prol da enfermagem em Teresina, o Dr. Gilberto Albuquerque foi bem claro ao afirmar que nenhuma gratificação ou benefício seria cortado. Por isso, essa nova decisão é algo inaceitável”, afirma.

O representante do SENATEPI explica que a gratificação por insalubridade é um direito do servidor. “O adicional de insalubridade encontra amparo no texto constitucional, assegurando ao trabalhador o direito a um ambiente laboral saudável. Em um ambiente contrário a este, o profissional tem direito a uma contraprestação, chamada de adicional, já que está exposto a um ambiente que compromete sua saúde ou integridade física. E a pandemia é com certeza uma situação de extremo risco”, relata.
Erick recorda ainda que desde outubro do ano passado o sindicato acionou a Justiça do Trabalho para que a seja paga a majoração da insalubridade a todos os servidores . “O SENATEPI se antecipou e desde outubro busca na Justiça do Trabalho a garantia do pagamento desse direito a todos os servidores, independente de setor”, finaliza.

Salários atrasados: profissionais da saúde devem cruzar os braços em Campo Maior

SENATEPI acompanha a situação e cobra da gestão municipal os pagamentos em atraso

Uma triste realidade que se repete em vários municípios piauienses, servidores com salários atrasados e sem expectativa de receber seus direitos. Em Campo Maior, a 88 quilômetros de Teresina, profissionais efetivos lotados na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não receberam a remuneração e o incentivo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) referente ao mês de dezembro de 2020. Diante da situação, as categorias podem paralisar as atividades a partir da próxima quinta-feira (21).

Na última segunda-feira (18), alguns profissionais se reuniram com prefeito, João Félix de Andrade Filho e com a secretária municipal de saúde, Dorilene Vidal Félix. Os gestores informaram que o repasse financeiro referente ao pagamento desses profissionais, exceto dos Agentes Comunitários de Saúde, não se encontrava na conta da secretaria, ou seja, que não havia mais dinheiro correspondente a esse recurso.
O presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI, Erick Riccely, acompanha a situação e relata que ao contrário do que diz o prefeito de Campo Maior, os recursos estariam na conta da prefeitura desde o dia 21/12/2020. “O que apuramos é que a gestão anterior deixou dinheiro em conta e a folha de pagamento já feita. Essa informação foi repassada pelo antigo gestor em encontro com a atual gestão no período de transição, no final do ano de parece passado”, esclarece Erick.
Erick enfatiza ainda que o atual gestor informou aos profissionais que a dívida seria do antigo prefeito. “É válido ressaltar que esses servidores atuam para o município e não para uma determinada gestão. Independente de troca de prefeito, os profissionais possuem o direito legal de receberem seus salários na data correta e estamos acionando o Ministério Público para cobrar isso”, diz Erick.
Caso o pagamento não seja realizado nos próximos dias, profissionais como enfermeiros, dentistas, técnicos de enfermagem, técnicos de saúde bucal, agentes comunitários de saúde, médicos, dentre outros funcionários efetivos devem paralisar as atividades a partir de quinta-feira (21). Até mesmo os profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU avaliam continuar ou não as atividades.

Ambulâncias do Samu estão funcionando sem ar-condicionado, diz Senatepi

Segundo a assessoria da FMS, houve um problema pontual na última terça-feira (06) em duas ambulâncias, mas estas já foram encaminhadas para a oficina. 

O Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí (Senatepi) denunciou nessa quarta-feira (07), que as ambulâncias básicas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – Samu de Teresina, estão funcionando sem ar-condicionado. Técnicos em enfermagem relataram aos fiscais do sindicato que já chegaram a passar mal durante os atendimentos por conta do calor.

Segundo o presidente da instituição, Erick Riccely, o problema está acontecendo porque a empresa contratada para fazer a manutenção dos equipamentos não estaria realizando o serviço por falta de pagamento da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

“Ter o aparelho nos veículos não é luxo e sim uma necessidade em uma cidade com temperaturas tão elevadas como é Teresina. Estamos falando de uma cidade com temperaturas que passam dos 40°C. A falta do aparelho prejudica o paciente e os servidores”, ressalta Erick Riccely.

Ainda de acordo com o sindicato, caso o problema não seja resolvido, os profissionais avaliam parar de trabalhar, já que existe uma diferença de tratamento entre as categorias profissionais.

“Quando ocorre algum problema com uma ambulância avançada, que tem a presença de um médico, o veículo é prontamente retirado de circulação. Já as unidades móveis básicas ficam funcionando e os técnicos em enfermagem são coagidos a trabalhar mesmo sem as condições necessárias. Isso é revoltante”, diz o sindicalista.

Outro lado

A assessoria da FMS informou ao GP1 que a denúncia não procede. Segundo a assessoria, houve um problema pontual na última terça-feira (06) em duas ambulâncias, mas estas já foram encaminhadas para a oficina.

Confira na íntegra a nota da FMS

A Fundação Municipal de Saúde esclarece que não procede a informação de que as ambulâncias do SAMU estão funcionando sem ar condicionado. Houve um problema pontual na última terça-feira(06) em duas ambulâncias, que já foram encaminhadas para a oficina. Uma delas foi entregue hoje quarta-feira (07) já com os devidos reparos e, na outra, o serviço será concluído amanhã (08). Nesta quinta-feira outras duas ambulâncias irão passar por reparos no serviço de ar refrigerado.

A direção da FMS ressalta ainda que a manutenção dos carros do SAMU é feita diariamente já que as viaturas prestam serviço à população todos os dias da semana. A frota do SAMU Teresina conta atualmente com 11 ambulâncias, sendo seis de suporte avançado, além de quatro motolâncias.

Fonte: https://www.gp1.com.br/noticias/ambulancias-do-samu-estao-funcionando-sem-ar-condicionado-diz-senatepi-487509.html

SENATEPI solicita adicional de 40% por insalubridade na rede privada



O pagamento da insalubridade máxima para todos os profissionais de Enfermagem é uma das bandeiras do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí – SENATEPI. Com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) esse direito se faz cada vez mais importante. Por isso, o SENATEPI enviou ofício ao Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí -SINDHOSPI para cobrar o pagamento de 40% de insalubridade sobre o salário base.


No documento é citada a Norma Reguladora N°15, que trata das atividades e operações insalubres, pontuando que o profissional da enfermagem tem direito ao aumento no adicional de insalubridade nas condições de atendimento a pacientes em isolamento por doenças infectocontagiosas.


Segundo o presidente do SENATEPI, Erick Riccely, os profissionais estão
batalhando para salvar as vidas de pessoas infectadas pelo coronavírus colocando a própria saúde em risco e merecem todo o suporte necessário, além de reconhecimento salarial. ” Por isso, enviamos a classe patronal um ofício para cobrar que o pagamento da insalubridade em grau máximo, equivalente a 40% sobre o salário base, seja aplicado a todos os profissionais de enfermagem que estão no combate a doença nós estabelecimentos de saúde privados”, enfatiza Erick.


O presidente do sindicato esclarece ainda que o SENATEPI é a única entidade com representação para realizar a cobrança em benefício da categoria. “Temos a competência legal para requerer o aumento no adicional de insalubridade. Qualquer outra entidade que o faça estará usurpando o papel do sindicato e muitas vezes atrapalhando a nossa luta”, explica Erick.


No documento fica ainda solicitado que todos os responsáveis pelos estabelecimentos de saúde sejam previamente informações do ofício e sigam as solicitações. “Estamos avançando em nossas conquistas, seja na rede pública como na rede privada e isso significa reconhecimento ao papel da enfermagem como atividade decisiva na preservação da saúde e vida da população”, conclui Erick.

SENATEPI CONVOCA CATEGORIA PARA ATO CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO PIAUÍ

Várias categorias estarão reunidas na próxima segunda-feira (09), às 9h, em frente a Assembleia Legislativa do Estado do Piauí, em defesa dos direitos dos trabalhadores e contra a Reforma da Previdência dos servidores do Estado. Entre elas, o Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI se fará presente.
O Governo do Estado enviou à Assembleia Legislativa, a Mensagem número 66, que dispõe sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que modifica o Regime de Previdência Social dos servidores do Estado. As mudanças se referem às regras de transição e disposições transitórias.

O diretor-presidente do SENATEPI, Erick Riccely, acredita que não houve diálogo com as categorias e espera que a proposta seja vetada pelos parlamentares. Segundo ele, os prejuízos serão incalculáveis para os servidores. “Uma matéria de extrema importância não pode ser tratada às pressas, sem o devido cuidado. A aposentadoria do servidor é um assunto delicado e merece um debate mais aprofundado”, enfatiza o diretor-presidente do SENATEPI.
Vale lembrar que a proposta visa a alteração do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Piauí à Emenda Constitucional nº 103/2019.

Fonte: Ascom