SENATEPI acompanha a situação e cobra da gestão municipal os pagamentos em atraso

Uma triste realidade que se repete em vários municípios piauienses, servidores com salários atrasados e sem expectativa de receber seus direitos. Em Campo Maior, a 88 quilômetros de Teresina, profissionais efetivos lotados na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não receberam a remuneração e o incentivo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) referente ao mês de dezembro de 2020. Diante da situação, as categorias podem paralisar as atividades a partir da próxima quinta-feira (21).

Na última segunda-feira (18), alguns profissionais se reuniram com prefeito, João Félix de Andrade Filho e com a secretária municipal de saúde, Dorilene Vidal Félix. Os gestores informaram que o repasse financeiro referente ao pagamento desses profissionais, exceto dos Agentes Comunitários de Saúde, não se encontrava na conta da secretaria, ou seja, que não havia mais dinheiro correspondente a esse recurso.
O presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí- SENATEPI, Erick Riccely, acompanha a situação e relata que ao contrário do que diz o prefeito de Campo Maior, os recursos estariam na conta da prefeitura desde o dia 21/12/2020. “O que apuramos é que a gestão anterior deixou dinheiro em conta e a folha de pagamento já feita. Essa informação foi repassada pelo antigo gestor em encontro com a atual gestão no período de transição, no final do ano de parece passado”, esclarece Erick.
Erick enfatiza ainda que o atual gestor informou aos profissionais que a dívida seria do antigo prefeito. “É válido ressaltar que esses servidores atuam para o município e não para uma determinada gestão. Independente de troca de prefeito, os profissionais possuem o direito legal de receberem seus salários na data correta e estamos acionando o Ministério Público para cobrar isso”, diz Erick.
Caso o pagamento não seja realizado nos próximos dias, profissionais como enfermeiros, dentistas, técnicos de enfermagem, técnicos de saúde bucal, agentes comunitários de saúde, médicos, dentre outros funcionários efetivos devem paralisar as atividades a partir de quinta-feira (21). Até mesmo os profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU avaliam continuar ou não as atividades.